© 2015 por Spitalex. Criado com Wix.com

  • Wix Facebook page
  • YouTube clássico
  • Slideshare.jpeg
  • LinkedIn App Ícone

Palestra na Academia Nacional de Medicina (RJ) em 18/Jul/2019, dentro do Simpósio Animais que Picam, Lambem e Mordem. Aula sobre Acidentes por Abelhas - Epidemiologia, Fisiopatologia, Manejo Clínico e Soro Antiapílico Estudo APIS, primeira terapia específica. 

Assista em https://youtu.be/w6vC7zosQ2E

Dia 18/Jul o time do Estudo APIS terá a honra de apresentar o resultado de seu trabalho dentro da mais antiga entidade cultural e científica do Brasil, a Academia Brasileira de Medicina (ANM), fundada em 1829.

A palestra será dentro do Simpósio "Animais que Picam, Lambem, Arranham e Mordem e seus Acidentes" (14:00 - 20:00), cuja programação conta ainda com uma variada revisão dessa temática, abordada por grandes nomes da medicinal nacional.

A sua participação pode ser online, pois o evento conta com transmissão ao vivo pelo site www.anm.org.br ou pelo aplicativo da ANM disponível gratuitamente na Apple Store ou Google Play.

Acesse a programação completa e outras informações no site da ANM ou abaixo.

A história da Academia Nacional de Medicina confunde-se com a história do Brasil e é parte integrante e atuante na evolução da prática da medicina no país. Fundada sob o reinado do imperador D. Pedro I, em 30 de junho de 1829, mudou de nome duas vezes, mas seu objetivo mantém-se inalterado: o d...

September 21, 2017

Medicamentos desenvolvidos pela Unesp de Botucatu passam a integrar lista do SUS. Exemplo de Medicina Translacional

Entrevista em 05/Set 2017 para a TV Record

Link: https://youtu.be/fYfoLDQcb2U

Entrevista à Agência Brasil publicada em 02/Abr/2017 sobre o Estudo APIS.

A primeira fase de testes do soro antiapílico - para combater o veneno das abelhas – chegou à metade do estudo nessa sexta-feira (31). O décimo paciente picado pelos insetos recebeu o soro no período de estudo clínico, quando a medicação é testada em seres humanos.

Esta fase do Estudo APIS teve início em fevereiro de 2016 e precisa alcançar 20 pacientes nesta primeira etapa, que tem por objetivo avaliar a segurança do soro. As pesquisas para se chegar a soro começaram há quatro anos, por meio de um consórcio entre o Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Cevap/Unesp) e o Instituto Vital Brasil.


Em 2013, liderado pela Faculdade de Medicina da Unesp e por sua Unidade de Pesquisa Clínica (Upeclin), o Estudo APIS foi entregue para análise das instâncias regulatórias no Brasil, o sistema CEP-Conep (Comitês de Ética em Pesquisa e Conselho Nacional de...

Reportagem do programa Domingo Espetacular sobre o Estudo APIS, que foi ao ar dia 02/Abr/2017.

Confira em: https://youtu.be/z3_DwfbroPw

Uma descoberta genuinamente brasileira pode salvar muitas vidas.

Inédito no mundo, um antídoto para veneno de abelhas já foi aplicado em oito pessoas ainda em fase experimental, sendo que uma delas escapou com vida de um ataque brutal de centenas desses insetos.

Produto é desenvolvido pelo Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos (Cevap) da Unesp de Botucatu e Instituto Vital Brazil.

Link original: http://noticias.r7.com/domingo-espetacular/videos/-antidoto-para-veneno-de-abelhas-descoberto-no-brasil-pode-salvar-vidas-02042017

Matéria no Bom Brasil da TV Globo que foi ao ar em 17/Mar/2017 sobre o Estudo APIS

Assista em https://youtu.be/7mGoWH8rL9w

Ou assista no link da Globo Play: https://globoplay.globo.com/v/5731433/

O dia 19 de agosto de 2016 marcou a vida da técnica agrícola Camila Aguillar Prezotto, de 32 anos, moradora de Avaré, interior de São Paulo. Quando ela e o marido, o engenheiro agrônomo Roberto Giraldi Peres, tentavam resgatar uma vaca caída em uma vala, na fazenda do casal, eles foram atacados por um enxame de abelhas africanizadas.

Camila recebeu cerca de 400 ferroadas e se tornou a primeira pessoa no mundo a receber um antídoto para o veneno dessas abelhas. O soro havia sido desenvolvido pelos pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp), de Botucatu, e eles estavam à espera de vítimas das abelhas para iniciar os testes do antídoto em seres humanos. Chegaram dois de uma vez: depois de Camila, seu marido também recebeu o soro.

De lá para cá, outros quatro pacientes foram submetidos ao...

Matéria do programa Nosso Campo da TV Globo afiliada TV TEM que foi ao ar dia 12/Mar/2017.

Assista aqui: https://youtu.be/tfpX0pwuLrk

Roberto Giraldi Peres e Camila Aguilar Peres moram em um sítio em Avaré (SP) e passaram por um grande susto no ano passado. Quando o casal caminhava no pasto, foi surpreendido por um enxame. Camila tomou mais de 400 picadas, precisou ser levada ao hospital e ainda tem cicatrizes espalhadas pelo corpo.

Para combater o veneno das abelhas, pesquisadores da Unesp de Botucatu (SP) e do Instituto Vital Brasil desenvolveram um soro antiapílico. Ele é feito com o próprio veneno da abelha. Um recipiente é colocado embaixo da colmeia e uma pequena descarga elétrica é dada, contraindo a musculatura do inseto, que assim, libera parte do veneno. 

O soro é indicado para casos graves, quando a pessoa recebe mais de cinco picadas. Em situações assim, o volume de veneno é tão grande que pode destruir os músculos e parar os rins. O novo antídoto age bloqueando o efeito do ven...

September 14, 2016

Matéria no Jornal Diário da Serra de Botucatu sobre o Estudo APIS em 14/Set/2016

Faça o download aqui.

O hospital é o único do estado de São Paulo autorizado a administrar o soro, que está em fase de estudo clínico.

Há mais de 20 anos deu-se início ao projeto que buscava a fabricação do soro contra picadas de abelha. Atualmente, o projeto está em fase de es­tudo clínico, denomina­do estudo APIS. Em uma parceria com o CEVAP, o HCFMB está dando início a testes que comprovarão se o soro é realmente efi­caz e não causa efeitos colaterais ao ser humano. Com isso, o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu se torna uma referência no estado em aplicação de soro antiapílico.

O coordenador geral do projeto clínico, Ale­xandre Naime, conta como foi o início da pes­quisa.

“Em 2013, depois de 20 anos de pesquisa, o CE­VAP, junto com o Institu­to Vital Brazil, conseguiu produzir um soro contra o veneno de abelha. Isso nunca tinha acontecido antes na medicina. De­pois disso eles vieram...

September 5, 2016

 Entrevista à TV Record em 01/Set/2016

Assista em: https://youtu.be/aBf-E037smU

A medicina deu mais um passo importante rumo aos avanços no tratamento contra o veneno das picadas de abelhas. E foi em Botucatu, na tarde desta segunda-feira, 21/Ago, que os pesquisadores da Unesp aplicaram pela primeira vez em uma pessoa, o Soro contra o Veneno de Abelhas. “Fruto do trabalho de mais de vinte anos do CEVAP e do Instituto Vital Brasil, o produto foi entregue em 2013 para ser viabilizado em Pesquisa Clínica à Infectologia UNESP e à UPECLIN, Unidade de Pesquisa Clínica da Faculdade de Medicina de Botucatu, através do Estudo APIS, que também conta com a participação da UFTM e da UNISUL”, disse ao Acontece Botucatu, um dos pesquisadores, Alexandre Naime Barbosa.

De acordo com o médico, a paciente é uma mulher de 33 anos, que foi picada por cerca de 400 abelhas em uma fazenda no município de Avaré. “Ela ficou sabendo do estudo através da internet e procurou ajuda no Pronto Socorro do HC de Botucat...

Os acidentes causados por abelhas afetam mais de 10 mil pessoas todo ano no Brasil, causando oficialmente 40 óbitos, mas estimativas apontam que esse número pode ser quatro vezes maior. As mortes podem ser decorrentes de dois mecanismos:

1. Envenenamento pela Peçonha da Abelha: ocorre quando um número substancial de picadas acontece (geralmente mais que 200), pois neste caso o volume de veneno é grande o suficiente para causar graves lesões em órgãos vitais. Entre outros componentes, a melitina se destaca como uma fração especialmente mais presente e potencialmente tóxica à órgãos como o rim, coração e fígado, entre outros, determinando grave quadro clínico que pode levar à morte. Não há na medicina nenhuma medida específica que permita desativar o veneno, sendo que o tratamento se limita ao suporte avançado de vida, esperando que o organismo elimine o veneno, o que muitas vezes não basta, e justifica os óbitos registrados.

2. Anafilaxia: algu...

Please reload

Posts Mais Lidos
Please reload

Arquivos
Please reload

Tags