© 2015 por Spitalex. Criado com Wix.com

  • Wix Facebook page
  • YouTube clássico
  • Slideshare.jpeg
  • LinkedIn App Ícone

February 20, 2017

Entrevista ao Jornal da Cidade de Bauru em 18/Jan/2016

Link para a matéria original aqui

A Diretoria de Saúde de Lençóis Paulista (43 quilômetros de Bauru) anunciou nesta semana uma série de ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Entre as novidades, está o aplicativo para celular “O Fim da Picada”, que permite que moradores ajudem o poder público denunciando possíveis criadouros espalhados pela cidade.

O aplicativo, que também reúne informações corretas sobre as doenças, está disponível para sistemas iOS e Android e pode ser baixado gratuitamente tanto na Apple Store quanto na Google Store. Segundo o diretor de Saúde Marcelo Ranzani, trata-se de uma importante ferramente na luta contra a proliferação do mosquito.

“Lençóis teve uma redução importante nos casos de dengue entre 2015 e 2016 e, no ano de 2017, a gente tem algumas notificações, mas ainda não tem nenhum caso confirmado de dengue”, diz. “Mas como estamos e...

Entrevista ao Portal Da Cidade em 24/Jan/2017

Acesse no link direto aqui, ou leia abaixo 

População do estado de São Paulo está suscetível ao vírus. Aedes Aegypti está presente em grandes quantidades na região, aumentando o risco de transmissão.

Por Maysa Santos

A primeira epidemia de Zika reconhecida no Brasil aconteceu no verão de 2015, principalmente no Nordeste do país. Na época pouco se sabia sobre a doença, afinal, os sintomas básicos se confundem com a Dengue e Chikungunya: febre, dor de cabeça, dor e vermelhidão no corpo. Cada patologia possui sua particularidade, porém os primeiros diagnósticos podem gerar confusão entre ambas. Nos casos em que o paciente não corre risco de vida, o médico não tem acesso aos resultados laboratoriais, o que dificulta a certeza na hora de diagnosticar.

Durante a epidemia foram notificados 1,5 milhão de casos de Dengue. No entanto, não se sabe qual desses eram Zika e Chikungunya. Os estudos foram intensificados quando começaram a surgir os primeiros...

Entrevista à Revista da APM - Edição de Fevereiro de 2016 

 

Download da matéria na íntegra aqui ou aqui.

 

Mas apesar  de  todo  avanço  científico, porque  é tão difícil combater o mosquito? De acordo com estudiosos, são vários os motivos somados que inibem sua  erradicação.

 

Alexandre Naime Barbosa, infectologista e professor da Faculdade de Medicina de Botucatu da Unesp,  esclarece que o aumento demográfico, experimentado a partir dos anos 1950 em razão do processo industrial, conduziu um novo panorama em termos de produção de artefatos, utensílios plásticos e outros objetos, bem como descartes inapropriados desses materiais.

 

“Quando existem, muitas vezes, barreiras nas iniciativas públicas no enfrentamento da epidemia, como a corrupção e falta de competência técnico-administrativa, em conjunto com a intensa conurbação urbana e marginalização das populações mais pobres e menos instruídas, compõe-se um cenário perfeito para a proliferação do mosquito”, desta...

Please reload

Posts Mais Lidos
Please reload

Arquivos
Please reload

Tags