© 2015 por Spitalex. Criado com Wix.com

  • Wix Facebook page
  • YouTube clássico
  • Slideshare.jpeg
  • LinkedIn App Ícone

Palestra de Educação Médica Continuada 

Atualização dos Médicos da Rede Básica

Ago/2019 - Botucatu - SP - Brasil

Acesse os Slides clicando aqui

February 22, 2019

Web Séries para o Ministério da Saúde - Campanha Sífilis Não 2018-19. 

Assista o episódio 7 e saiba tudo sobre Sífilis em:


Youtube Episódio 7

Website Oficial: http://sifilisnao.com.br

February 18, 2019

Aula para a Recepção Unificada Calouros 2019UNESP - Campus de Botucatu

Acesse clicando -> aqui

Entrevista para o Yahoo Notícias em 16 de janeiro de 2019.

Acesse em https://br.noticias.yahoo.com/o-que-fazer-para-evitar-sofrer-com-picadas-de-insetos-201900617.html ou leia abaixo.

Prepare-se! Com o início do calor, o número de insetos aumenta significativamente. E o zumbido chato no ouvido é apenas um dos problemas (talvez o menor deles). Além de provocar coceiras intensas, uma simples picada é capaz de transmitir doenças que podem levar até a morte. (E isso não é exagero).

Segundo o Ministério da Saúde, de 1º de julho de 2017 a 30 de junho de 2018, foram confirmados 1.376 casos de febre amarela silvestre no país e 483 óbitos. Mas, como aponta o infectologista Jessé Reis Alves, esse não é o único vírus que pode ser transmitido a partir da picada de um mosquito. “Entre os mais comuns no Brasil, estão também a Dengue, a Zika e a hikungunya.”

Sem contar no risco da transmissão de parasitas, tais como a malária e leishmaniose. “Há cerca de 120 a 150 mil casos de malária no país por ano. É...

Entrevista para a BBC News Brasil em 05/Jan/2019

Acesse em https://www.bbc.com/portuguese/geral-46705312

Entre as principais doenças infecciosas ainda com alta incidência no Brasil estão aids, hanseníase, hepatite C, malária e sífilis

A lista de doenças infecciosas, causadas por micro-organismos como vírus, bactérias, protozoários e fungos, é enorme. Para muitas existem vacinas, mas uma parte significativa não conta com proteção - apenas medidas paliativas de prevenção.

Entre as principais, ainda com alta incidência no Brasil, de acordo com Alexandre Naime Barbosa, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), e Rosana Richtmann, infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, estão aids, hanseníase, hepatite C, malária e sífilis. A boa notícia é que elas têm tratamento, e com excelentes prognósticos.

A seguir, saibam o que são exatamente estas patologias, seus sintomas, tratamentos e formas de evitá-las.

Aids

O que é: trata-se de uma infecção sexualmente transmissível (I...

Web Séries para o Ministério da Saúde - Campanha Sífilis Não 2018-19.

Assista os episódios e saiba mais em:


Youtube Episódio 1

Website Oficial: http://sifilisnao.com.br

Entrevista para a BBC Brasil em 28/Jul/2018 - Mariana Lenharo - Nova York para a BBC News Brasil

Existe um consenso entre os infectologistas de que as doenças sexualmente transmissíveis estão em alta na população jovem do Brasil. "Esta última geração, que começou a vida sexual depois de 2010, tem um modo diferente de encarar as DSTs", diz Alexandre Naime Barbosa, professor de Infectologia da Unesp. A noção de que a Aids se tornou uma doença crônica e tratável fez a adesão à camisinha diminuir muito, segundo ele. No caso do HIV, o número de novos casos anuais subiu quase 140% entre 2007 e 2017 na população em geral: de 6.862 a 16.371, de acordo com o mais recente Boletim Epidemiológico de HIV/Aids lançado pelo Ministério da Saúde. Entre jovens de 15 a 19 anos do sexo masculino, o aumento chegou a 590%, segundo o mesmo documento.

No mesmo período, o número de novos casos de sífilis aumentou em 133% entre mulheres grávidas, segundo dados do Ministério da Saúde. O aumento de sífilis congênit...

Casos de sífilis congênita sobem 8,7% no Distrito Federal em um ano


Matéria publicada no jornal Correio Braziliense em 20/Jun/2018, leia no link ou abaixo:


Link: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2018/07/20/interna_cidadesdf,696329/casos-de-sifilis-congenita-sobem-8-7-no-distrito-federal.shtml


Uma doença de prevenção fácil, mas que pode ter consequências desastrosas voltou a fazer parte do cotidiano dos brasileiros. No Distrito Federal, em 2017, houve um aumento de 8,7% nos casos de sífilis congênita, – a que passa da mãe para o bebê –, em relação ao ano anterior. São 3,7 novos casos por dia, de acordo com a Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Os dados alarmantes elevam a sífilis ao patamar de epidemia no país. Em todo o Brasil, a incidência da doença subiu 5.000%, de 2010 a 2015, segundo dados do Ministério da Saúde. Especialistas acreditam que os números não param de crescer porque as pessoas perderam o medo de contrair doenças sexualmente transmissíveis,...

November 27, 2017

Entrevista ao jornal Diário da Região em 10/Nov/2017

Acesse aqui, ou leia abaixo.

De janeiro a 7 de novembro deste ano, Rio Preto registrou 65 casos de sífilis em gestantes. O número já é superior ao registra do em todo o ano de 2015 - 63 - e fica pouco- abaixo do notificado em 2016 - 71. A cada mês de 2017, foram confirmados em média 6,5 casos da doença em grávidas. Se esta proporção se mantiver no restante do ano, a quantidade e infecções ultrapassará a do ano anterior.

Isso preocupa porque a sífilis, causada pela bactéria Treponema pallidum, provocou o aborto ou morte de sete bebês em 2017 - mesma quantidade que no ano passado inteiro.

O infectologista Alexandre Naime Barbosa, professor da Unesp de Botucatu, destaca que a infecção é mais perigosa que o Zika vírus. Durante a gestação, são feitos vários testes para a doença. Se o tratamento for feito de forma correta, o feto e a mãe não correm riscos. Quando ela é transmitida para o bebê, recebe o nome de congênita.

“Causa uma síndrome de...

Please reload

Posts Mais Lidos
Please reload

Arquivos
Please reload

Tags