@2020 DRBARBOSA.ORG

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - Círculo Branco
  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Ativo 6c
  • Dr. Alexandre Naime Barbosa

Influenza e Doenças Respiratórias do Inverno


Entrevista à Revista Super Saudável - Ago 2016

Leia a matéria completa aqui.

O perigo está nos vírus


As doenças respiratórias mais frequentes no Brasil são a gripe e o resfriado, muito comuns de maio a outubro, quando está mais frio e as pessoas ficam mais confinadas em ambientes fechados, sem ventilação e com aglomerados populacionais.




Assim como a gripe, a pneumonia viral pode ser moderada ou de intensidade grave, levando à febre alta, dores fortes pelo corpo e, muitas vezes, à falta de ar e insuficiência respiratória aguda. Esses sintomas podem ocasionar a morte, principalmente em alguns grupos de risco, como menores de 2 anos e maiores de 60 anos de idade, grávidas, puérperas e indivíduos portadores de doenças crônicas.





Os casos podem aumentar por maior susceptibilidade da população, pela mutação dos vírus – especialmente o Influenza – e pela falta de vacinação nos anos anteriores. O Influenza H1N1, por exemplo, é intrinsecamente mais patogênico e causa quadros clínicos mais graves que os outros membros da família Influenza, por ser mais agressivo ao pulmão, a outras estruturas respiratórias e ao organismo como um todo.

O médico infectologista Alexandre Naime Barbosa, professor doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), explica que o Influenza está com maior circulação, e também mais precoce do que nos anos anteriores, por alguns motivos especulativos. Segundo o especialista, existem três possibilidades possíveis para essa situação epidemiológica mais agressiva.

Uma delas é a falta de cobertura vacinal adequada em 2013, 2014 e 2015, com o número de pessoas vacinadas, entre os grupos de risco, inferior à meta de 80% devido à falta de preocupação da população.

A segunda hipótese é que, como o verão deste ano teve um grande período de chuvas em comparação aos anos anteriores, a população ficou mais aglomerada e em ambientes com pouca ventilação.

“Há, ainda, a possibilidade de maior circulação de um vírus ‘importado’, pois, no Hemisfério Norte, houve muitos casos no fim de 2015 e começo deste ano. Provavelmente, o influxo de turistas desses locais ao Brasil pode ter contribuído para o cenário de aumento de casos”, acredita.

#jornal #influenza

0 visualização
10-12-18-3503.png
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now