• Dr. Alexandre Naime Barbosa

Desespero na fronteira da Venezuela por um tratamento contra o HIV/Aids



A crise humanitária na Venezuela se agrava a cada dia, e tive a oportunidade de verificar "in loco" como essa realidade afeta principalmente a saúde do povo daquele país, em recente Missão Médica no mês de julho. Em especial atendi muitas pessoas vivendo com HIV/Aids, que sem qualquer acesso à exames ou tratamento, estão simplesmente vivendo a evolução da doença até a morte, o que acontecia há 30 anos atrás, quando a Aids foi descoberta, e não havia tratamento disponível.


Essa triste realidade está reportada de forma fiel na reportagem abaixo por mim traduzida, e disponível no link original em https://www.medscape.com/viewarticle/902917


Quando Danielis Diaz parou de receber remédios para HIV/AIDS quatro meses atrás, ela teve uma escolha de vida ou morte - ficar em casa e se tornar mais uma vítima sem vida do sistema de saúde da Venezuela ou fugir para a Colômbia. Hoje, a transgênero de 32 anos está prestes a recomeçar seus medicamentos antirretrovirais gratuitos na Fundação Censurados, um grupo sem fins lucrativos que administra uma clínica em uma garagem na cidade de Cucuta, na fronteira com a Colômbia.


Diaz é um dos mais de um milhão de venezuelanos que chegaram à Colômbia nos últimos 18 meses, expulsos de seu país devido ao colapso econômico, à crescente pobreza e à grave escassez de alimentos e remédios. "Os médicos diriam: 'Nada este mês, tente no mês que vem'", lembrou Diaz, que recebeu medicação gratuita por 12 anos como parte do programa nacional de tratamento de HIV / AIDS da Venezuela.


"Médicos me disseram para tomar vitaminas e comer lentilhas enquanto esperavam pelas drogas. Enquanto você espera, você está esperando para ir ao cemitério", disse Diaz, que trabalha cabeleireiro durante o dia e trabalha profissionalmente à noite. Administrada por uma equipe de enfermeiras voluntárias, assistentes sociais e psicólogos, a clínica em Cucuta é vital para ela e para outros 45 imigrantes venezuelanos, dos quais cerca de metade são membros da comunidade LGBT +.


'FALTA DE DINHEIRO'


Desde 1991, a Venezuela distribuiu medicamentos anti-retrovirais gratuitos para combater o HIV / AIDS. A medicação mantém o vírus sob controle, enquanto aumenta as chances de uma pessoa ter uma vida longa e saudável. Mas como o resto do sistema de saúde pública do país, seu programa de tratamento se desfez em meio a um colapso econômico que desencadeou o maior êxodo de pessoas na história moderna da América Latina.


Primeiro, os exames laboratoriais e os check-ups regulares cessaram, depois os antiretrovirais cessaram e, finalmente, os médicos especialistas deixaram o país, segundo os migrantes venezuelanos que vivem com o HIV.


Desde 2015, a "complexa situação econômica" do país privou o ministério da saúde de fundos para comprar remédios, segundo Regina Lopez de Khalek, gerente da Venezuela da agência para HIV / AIDS da ONU, UNAIDS. "Esta situação piorou no ano passado e o ministério não conseguiu fazer uma compra regular e continuada", disse Lopez de Khalek à Thomson Reuters Foundation."E, claro, isso significa que alguns anti-retrovirais estão se esgotando progressivamente". A escassez atingiu duramente a comunidade LGBT + da Venezuela, por ser desproporcionalmente afetada pelo HIV.


Os homens que fazem sexo com homens estão em maior risco de contrair a doença, juntamente com mulheres profissionais do sexo, usuários de drogas e mulheres transgênero, segundo a UNAIDS. No início deste ano, e mais recentemente em agosto, a Venezuela comprou antiretrovirais por meio do fundo estratégico da Organização Pan-Americana da Saúde, Lopez de Khalek disse. Alguns desses medicamentos começaram a chegar nas últimas semanas. "Esperamos que isso signifique que as pessoas possam ter um tratamento regular até dezembro ou janeiro de 2019, para que possamos ter uma continuidade de tratamento", disse Lopez de Khalek.


Para alguns venezuelanos, essas medidas chegaram tarde demais. Um número crescente de pessoas LGBT + soropositivas está morrendo depois de cruzar para a vizinha Colômbia, dizem ativistas. De acordo com Juan Carlos Archila, que dirige a Fundação Censurados, nove venezuelanos morreram de doenças relacionadas à Aids no principal hospital público de Cucuta desde janeiro. Eles incluíram um menino de 16 anos, três mulheres transexuais e quatro homens gays. Alguns deles pararam de tomar a medicação devido à falta em casa, disse ele.


"Quando chegam à Colômbia, muitos estão desnutridos, sua saúde piorou consideravelmente", disse Archila, que é enfermeira. "Os sistemas de defesa deles são tão baixos. Eles nem conseguem se defender de um resfriado comum." Wilson Castaneda, diretor do grupo de direitos LGBT + Caribe Afirmativo, na cidade costeira de Barranquilla, disse que 11 LGBT + venezuelanos com HIV morreram lá só neste ano.


"Os venezuelanos foram abandonados por seu próprio país. Quando chegam à Colômbia, descobrem que não podem obter o remédio de que necessitam ou têm condições de comprá-lo", disse Castaneda. "Eles enfrentam uma situação de vida e morte."

A medicação básica contra o HIV / Aids custa cerca de US $ 95 por mês na Colômbia - muito fora do alcance da maioria dos migrantes, dizem os ativistas.


O sistema de saúde pública da Colômbia fornece antiretrovirais de graça, mas não a migrantes venezuelanos não documentados. Apenas aqueles que necessitam de cuidados de emergência, incluindo mulheres grávidas, recebem tratamento gratuito. "Para os migrantes com situação irregular, eles recebem atendimento médico apenas em caso de emergência que ameace a vida, o que impede o tratamento contínuo para o HIV", disse Chelsea Sommer, um oficial de proteção da agência de refugiados da ONU. O Ministério da Saúde da Colômbia se recusou a comentar. As autoridades disseram que cerca de 54.500 venezuelanos receberam atendimento de emergência em hospitais públicos em todo o país no ano passado.


Especialistas médicos alertam que o tratamento irregular em ambos os lados da fronteira pode levar a níveis crescentes de resistência aos medicamentos, que surge quando um paciente não se ater a um plano prescrito. Essa é uma preocupação para Carlos, um gay homossexual de 27 anos da Venezuela que foi diagnosticado com HIV em 2013.


Ele disse que não tinha conseguido tomar seus antiretrovirais por cinco meses. "Reiniciar meu novo tratamento significa que posso respirar de novo", disse Carlos, que não quis dar seu sobrenome. "Eu só espero que eu não seja resistente a isso ". Enquanto esperava para ver uma enfermeira na clínica da Fundação Censurados, ele se lembrou de ter participado de enormes protestos anti-governo que atingiram a Venezuela em 2014."Eu estava lutando nas ruas por um país melhor", disse ele. "Agora eu estou lutando pela minha saúde."

#resenha #hivaids #venezuela #voluntariado

16 visualizações

@2020 DRBARBOSA.ORG

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - Círculo Branco
  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Ativo 6c
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now