© 2015 por Spitalex. Criado com Wix.com

  • Wix Facebook page
  • YouTube clássico
  • Slideshare.jpeg
  • LinkedIn App Ícone

Resenhas

A Infectologia é a ciência que estuda a relação entre o Ser Humano, os Agentes Infecciosos e o Meio Ambiente. Qualquer pequeno desarranjo em um desses componentes pode levar a sérias implicações na saúde individual e coletiva. Grandes epidemias que ficaram marcadas nas história mostram como esse desbalanço pode ser catastrófico. A Peste Negra na Idade Média, matou 1/3 da população mundial na época, a Gripe Espanhola vitimou 100 milhões de pessoas em 1918, e mais recentemente a Aids na década de 1980 mudou profundamente hábitos e costumes da sociedade por atingir fatalmente mais de 40 milhões de pessoas. Não somente em epidemias, mas no cotidiano das pessoas a Infectologia está presente desde o simples resfriado comum, passando pelas infecções urinárias, de pele e de intestino, entre tantas outras.

Para que o Infectologista possa dominar todos esses aspectos, Seis Pilares são fundamentais:

1. Conhecimento sobre o Inimigo: Bactérias, Vírus, Fungos, Protozoários, Parasitas, Príons... São mu...

A crise humanitária na Venezuela se agrava a cada dia, e tive a oportunidade de verificar "in loco" como essa realidade afeta principalmente a saúde do povo daquele país, em recente Missão Médica no mês de julho. Em especial atendi muitas pessoas vivendo com HIV/Aids, que sem qualquer acesso à exames ou tratamento, estão simplesmente vivendo a evolução da doença até a morte, o que acontecia há 30 anos atrás, quando a Aids foi descoberta, e não havia tratamento disponível. 

Essa triste realidade está reportada de forma fiel na reportagem abaixo por mim traduzida, e disponível no link original em https://www.medscape.com/viewarticle/902917

Quando Danielis Diaz parou de receber remédios para HIV/AIDS quatro meses atrás, ela teve uma escolha de vida ou morte - ficar em casa e se tornar mais uma vítima sem vida do sistema de saúde da Venezuela ou fugir para a Colômbia. Hoje, a transgênero de 32 anos está prestes a recomeçar seus medicamentos antirretrovirais gratuitos na Fundação Censurado...

Como identificar um Charlatão (Médico, Nutricionista, Educador Físico, etc...)

1. Ele usa redes sociais para anunciar “antes e depois” de pacientes (proibido por regulamentações legais);

2. Não tem número de RQE (Registro de Qualificação de Especialista) no CFM e se anuncia especialista ou tem e atua de forma antiética;

3. Alega ser especialista em qualquer coisa integrativa, ortomolecular, quântica ou outro neologismo não científico ou médico;

4. Tem discurso que trabalha com medicina inovadora e que os outros médicos são desatualizados; que ele é um bom samaritano (mascobra caro), cheio de #luz e #gratidão, que ajuda as pessoas a melhorar a #performance, com uma #modulaçãohormonal #antiaging #ortomolecular e a ter #longevidade;

5. Prescreve terapias “alternativas” (não reconhecidas), mas se ELE adoecer, vai ao hospital fazer tratamento convencional;

6. Antes de você ir para a consulta, deixa com a secretária uma requisição de dezenas de exames (desnecessários) para “você já ir com os exame...

Dia 11 de Abril de 2018, mais de 300 pessoas se reuniram para a Celebração dos 50 Anos da Disciplina de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da UNESP - Faculdade de Medicina de Botucatu. Entre os presentes, muitos dos pioneiros e também dos atuais Professores, Residentes, Alunos de Graduação, Médicos, Pós-Graduandos, Aprimorandos e Funcionários da MIP Infectologia UNESP, além da Diretoria da Faculdade de Medicina, Hospital das Clínicas FMB UNESP, FAMESP e dirigentes da Prefeitura Municipal de Botucatu. Nessa data histórica, em que também se comemora nacionalmente o Dia do Infectologista, o sentimento de todos é de satisfação pelo sucesso no caminho trilhado, fortalecendo a perseverança na continuidade do trabalho árduo desenvolvido nessas últimas cinco décadas.

Vídeo da Cerimônia de Abertura: https://youtu.be/Za_nd4_xSYA

Vídeo do Resgate Histórico: https://youtu.be/Vg4MLRsY7kg

Link para as Fotos (Eliete Soares):  https://photos.app.goo.gl/CXyJ09ocdeW3EVgk2

Meio século que foram relembrados...

February 15, 2018

Aviso: Página não oficial do Serviço de Infectologia UNESP - FMB/HC Botucatu, as informações aqui contidas são de responsabilidade do autor, e têm como objetivo fornecer uma visão mais completa e atualizada desse serviço. Para acessar o site oficial, entre em www.fmb.unesp.br.

Apresentação Geral

O Serviço de Infectologia UNESP - Faculdade de Medicina e do HC UNESP (Botucatu/SP) foi iniciado em 1968, e tem por objetivo prestar assistência médica na área de Infectologia nos serviços do Complexo Médico-Hospitalar da UNESP - FMB.


Com atuação em diversas subáreas da especialidade, os profissionais envolvidos (médicos docentes ou médicos contratados) tem também possibilidade de interagirem com o ensino, pesquisa e extensão..

Para maiores informações e contato com o Serviço de Infectologia UNESP - FMB/HC Botucatu, use:

Fone: (14) 3811-6212 ou E-Mail: doencastropicaisfmb@gmail.com

A. Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP

Referência brasileira e internacional em ensino, pesquisa e exten...

Os acidentes causados por abelhas afetam mais de 10 mil pessoas todo ano no Brasil, causando oficialmente 40 óbitos, mas estimativas apontam que esse número pode ser quatro vezes maior. As mortes podem ser decorrentes de dois mecanismos:

1. Envenenamento pela Peçonha da Abelha: ocorre quando um número substancial de picadas acontece (geralmente mais que 200), pois neste caso o volume de veneno é grande o suficiente para causar graves lesões em órgãos vitais. Entre outros componentes, a melitina se destaca como uma fração especialmente mais presente e potencialmente tóxica à órgãos como o rim, coração e fígado, entre outros, determinando grave quadro clínico que pode levar à morte. Não há na medicina nenhuma medida específica que permita desativar o veneno, sendo que o tratamento se limita ao suporte avançado de vida, esperando que o organismo elimine o veneno, o que muitas vezes não basta, e justifica os óbitos registrados.

2. Anafilaxia: algu...

Aviso: Página não oficial do Programa de Residência Médica em Infectologia da UNESP, as informações aqui contidas são de responsabilidade do autor, e têm como objetivo fornecer uma visão mais completa e atualizada desse programa. Para acessar o site oficial, entre em www.fmb.unesp.br.

Apresentação Geral

O Programa de Residência Médica (PRM) em Infectologia da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP (FMB UNESP) é oferecido desde 1978, tendo formado mais de 80 profissionais desde então. Credenciado pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM - MEC), oferece 3 (três) vagas e tem a duração de 3 três anos.


O objetivo desse programa é formar médicos especialistas altamente capacitados em Infectologia. Para tanto, impõe-se o estudo das manifestações clínicas, condutas diagnóstica e terapêutica de doenças infecciosas e parasitárias. A compreensão desses fatos não é possível, porém, sem a inclusão da etiopatogenia, da epidemiologia, da fisiopatologia e da profilaxia de...

February 17, 2016

Ontem (16) foi realizada na Unesp de Botucatu, com organização da Liga de Infectologia, a conferência “Desmistificando o Zika e outras epidemias”. O médico infectologista Alexandre Naime Barbosa foi o responsável pela condução do debate. Tivemos 334 presentes, e mais 77 assistindo pelo Periscope. Alunos de graduação da área de saúde (Medicina, Enfermagem, Biomedicina, Nutrição), Profissionais de Saúde (Médicos, Professores, Enfermeiros, Farmacêuticos) e membros da comunidade de Botucatu, como a Nani representando o bairro do Cambuí. Fruto da necessidade de informações confiáveis em tempos de tanto boatos e mitos.

A ignorância perambula nos períodos de epidemia”, cita Naime. Como tudo ainda é muito novo sobre o vírus, muita informação errada, equivocada e até distorcida circula entre a população. “Com o objetivo de discutir cientificamente o assunto, a Liga de Infectologia, em conjunto com a Disciplina de Moléstias Infecciosas da Faculdade de Medicina da Unesp promoveu a conferência “Des...

“A Medicina é a ciência das verdades transitórias”, lembra um grande colega infectologista de Santos, sobre a enxurrada de novas informações que estão surgindo sobre o Zika vírus dessas últimas semanas. Nunca um chavão foi tão preciso e correto. Descrito pela primeira vez no final da década de 1940, o Zika ganhou notoriedade somente em novembro do ano passado quando foi associado à casos de recém-nascidos com microcefalia. A partir dessa data, uma enxurrada de informações científicas se iniciou, algumas de fácil assimilação pela relevância, e outras sem ainda um significado claro. E ainda vários boatos gaiatos completamente infundados trouxeram preocupação às pessoas, que ficaram perdidas sem saber em que acreditar.

Veja a matéria completa do assunto, publicada no Jornal Diário da Serra em 04/Fev/2016 clicando aqui.

Vivemos uma época de muitas incertezas, pois o Zika vírus é um inimigo novo, com poucos estudos científicos concluídos, e, portanto, há que se ter cuidado com resultados de p...

 

 

 

 

 

 

 

 

Matéria em colaboração com a Assessoria de Imprensa do HC Unesp, publicada em 01/12/2015

 

Link original: clique aqui.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Falta de informação, falha nas políticas públicas e preconceito. Esses são alguns pontos que permeiam a acquired immunodeficiency syndrome, ou simplesmente Aids. Conhecida como Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, a doença foi diagnosticada pela primeira vez no Brasil em 1982, segundo o Ministério da Saúde. Hoje, são contabilizados mais de 700 mil casos da doença. Em 1996, Sistema Único de Saúde (SUS), começou a fornecer tratamento gratuito para pessoas que vivem com Aids, um pioneirismo entre os primeiros países de baixa e média renda.


Segundo o professor e médico infectologista da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB) e membro titular da International Aids Society, Alexandre Naime Barbosa, atualmente o Serviço de Ambulatórios Especializados em Infectologia “Domingos Alves Meira” (SAEI-DAM), que tem vínculos assistenciais junto ao Hospital das Clín...

November 30, 2015

 

Colaboração com a Pré-Univesp, publicação eletrônica de divulgação científica da Universidade Virtual do Estado de São Paulo.

 

Matéria publicada em 18/Nov/2015, por Chris Bueno.

 

 

 

 

 

Dengue, malária, doença de chagas, leishmaniose. Essas são apenas algumas das doenças tropicais negligenciadas que atingem mais de um bilhão de pessoas no mundo todo e causam cerca de 500 mil mortes anualmente. Com as mudanças climáticas, esse número vai aumentar e essas doenças atingirão uma faixa geográfica muito maior. A Organização Mundial de Saúde (OMS) já alertou que as mudanças de temperatura podem promover a propagação de doenças infecciosas, especialmente as chamadas doenças tropicais negligenciadas. Isso porque um clima mais quente pode elevar a concentração de poluentes no ar, comprometer a qualidade da água e ainda aumentar a disseminação de vetores causadores de doenças, como o mosquito da dengue.

 

Além disso, o aumento da temperatura, doenças que antes estavam restritas à faixa tropical do...

November 18, 2015

A Conferência Americana de Doenças do Fígado, evento anual e de importância mundial, terminou hoje em San Francisco, e trouxe importantes novidades na área da Hepatite C. Confira!

 

1. Benefícios da Resposta Virológica Sustentada (RVS).


- A prevalência de cirrose está aumentando nos pacientes com Hepatite C nos EUA, principalmente entre os mais idosos e com síndrome metabólica (Prowpanga, Abs 88).


- A RVS promove redução da fibrose na era INF-free, e a elastografia se mostra como goldstandard no seguimento dos pacientes pós tratamento. (Crissien, Abs. 108).


- A RVS está associada à redução significativa das complicações em pacientes cirróticos compensados e não compensados (Saxena, Abs. 1825).


2. Tratamentos em Vida Real com Drogas Aprovadas (EUA)


- Os resultados dos estudos de vida real em G1 são comparáveis aos ensaios clínicos de registro, mostrando a alta efetividade do tratamento IFN-free, usando Sofosbuvir + Ledipasvir (SOF + LDV) (Curry,Abs 1108). O mesmo estudo revela que 8 seman...

September 21, 2015

Matéria em colaboração com a Sociedade Paulista de Infectologia, publicada aqui.

 

O panorama da epidemia do HIV/Aids no Brasil mostra um aumento preocupante do número de casos novos/ano em alguns segmentos específicos, apesar da relativa estabilidade (cerca de 40 mil casos/ano) na população em geral. Na faixa etária entre 15 a 24 anos, a incidência aumentou em mais de 50% desde 2006.

 

É importante destacar que não existem mais “grupos de risco”, pois a infecção pelo HIV pode acontecer em qualquer segmento, independente da idade, orientação sexual, classe financeira ou outra característica pessoal. Porém há uma concentração em algumas populações mais vulneráveis, principalmente entre os mais jovens, talvez pela falta de percepção de risco inerente da idade, e pelo fato de não terem vivenciado os anos mais trágicos da epidemia da aids. Recente pesquisa que investigou hábitos e atitudes dos brasileiros mostrou que 94% das pessoas concordam que a camisinha é a melhor forma de prevenção ao HI...

Matéria em colaboração com o HC UNESP

 

Cuidados simples podem evitar a contaminação pelos vírus da hepatite

 

As hepatites virais são as mais comuns e as que mais geram preocupação na comunidade médica. Segundo o médico infectologista e professor da FMB/Unesp, Alexandre Naime Barbosa, são atitudes comuns que evitam o contágio. “As principais formas de se evitar a contaminação pelas hepatites virais são: uso do preservativo sexual (camisinha), evitar o compartilhamento de objetos de uso pessoal (escova de dente, tesoura e alicate de unha, brincos, pircieng), evitar o compartilhamento de seringas e agulhas, nunca usar seringas e agulhas não descartáveis, além de cuidados com o tipo de água e alimentos ingeridos”, observa.

 

Como ocorre o contágio?

 

Os vírus da hepatite podem ser classificados em A, B, C, D e E. As hepatites do tipo A e do tipo E são transmitidas por consumo de alimentos ou água contaminados, ou por contato direto via secreções.

 

Já nos outros tipos, a transmissão acontece por c...

Em 1980, os dois primeiros alunos do Programa de Residência Médica em Moléstias Infecciosas e Parasitárias (MIP, hoje Infectologia) da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP concluíam o curso. Para comemorar os 35 anos de atividade, e promover atualização científica e confraternização entre os egressos, a Disciplina de MIP da FMB - UNESP organizou nos dias 19 e 20 de junho de 2015 o 2º Encontro dos Ex-Residentes. Com mais de 80 Infectologistas formados, o programa se solidificou ao longo dessas mais de três décadas, e hoje oferece três vagas anuais, com três anos de estágio.

 

No primeiro dia, os egressos puderam participar da programação científica do 18º Encontro de Infectologia do Interior Paulista - Caipirão 2015 (leia a resenha em: http://www.drbarbosa.org/#!Encontro-de-Infectologia-“Caipirão”-traz-importantes-novidades-e-tem-casa-cheia-em-Botucatu/cqio/5587386f0cf2a5839d91fbc6), e ainda participar à noite de um coquetel de confraternização.

 

Já no segundo dia, os Ex-Residentes vi...

Older Posts >

Please reload

Deixe sua sugestão ou recado aqui.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now