© 2015 por Spitalex. Criado com Wix.com

  • Wix Facebook page
  • YouTube clássico
  • Slideshare.jpeg
  • LinkedIn App Ícone
Please reload

Posts Mais Acessados

HC UNESP é referência em São Paulo em aplicação de Soro contra Picadas de Abelhas

September 14, 2016

Matéria no Jornal Diário da Serra de Botucatu sobre o Estudo APIS em 14/Set/2016

 

Faça o download aqui.

 

O hospital é o único do estado de São Paulo autorizado a administrar o soro, que está em fase de estudo clínico.

 

Há mais de 20 anos deu-se início ao projeto que buscava a fabricação do soro contra picadas de abelha. Atualmente, o projeto está em fase de es­tudo clínico, denomina­do estudo APIS. Em uma parceria com o CEVAP, o HCFMB está dando início a testes que comprovarão se o soro é realmente efi­caz e não causa efeitos colaterais ao ser humano. Com isso, o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu se torna uma referência no estado em aplicação de soro antiapílico.

 

O coordenador geral do projeto clínico, Ale­xandre Naime, conta como foi o início da pes­quisa.

 

“Em 2013, depois de 20 anos de pesquisa, o CE­VAP, junto com o Institu­to Vital Brazil, conseguiu produzir um soro contra o veneno de abelha. Isso nunca tinha acontecido antes na medicina. De­pois disso eles vieram nos procurar para fazer o projeto clínico de pes­quisa. Foi então que nós da infectologia da Unesp, junto com a upeclin, de­senhamos o projeto” ex­plica.

 

Essa é a primeira fase do estudo, que, ao final, deverá concluir ou não se o soro poderá ser admi­nistrado em seres huma­nos. Para que a pesquisa seja válida é necessário que 20 pacientes tenham o soro injetado em suas veias e não apresentem efeitos adversos ou qual­quer tipo de reação.

 

Quatro pacientes já se voluntariaram e parti­ciparam do estudo. Eles não apresentaram ne­nhum tipo de problema em decorrência da aplica­ção do antídoto.

 

De acordo com Naime, o hospital deverá atuar de maneira abrangente.

 

“Todos os pacientes que sofrerem picadas de abelhas no estado de São Paulo serão direciona­dos para Botucatu, pois o HCFMB é o único órgão autorizado pela Anvisa a administrar o soro”, ar­gumenta.

 

O infectologista com­pleta dizendo que o soro poderá trazer benefícios até comerciais para o país.

 

“Essas abelhas africa­nizadas existem em di­versas partes do mundo. Portanto, se tudo der cer­to, o soro será um produ­to de exportação, que é praticamente inédito. Não existem grandes exem­plos de medicamentos que o Brasil tenha produ­zido e exportado”, coloca.

 

Primeiro Caso

 

Camila Aguillar foi a primeira paciente do HCFMB a receber o soro an­tiapílico, após um acidente no qual foi picada por mais de 300 abelhas.

 

Ela conta que a vontade de ser curada rapidamente e o bem que poderá pro­porcionar para outras pes­soas foram os principais motivos que a fizeram não ter medo de ser a primeira pessoa a receber o soro.

 

“Bateu um nervosismo na hora da aplicação, mas eu já estava com o corpo debilitado e com os órgãos ruins, então para mim era bom tomar o soro. Além disso, trata-se de um estu­do para o amanhã. Não po­demos pensar só na gente, temos que pensar no próxi­mo também”, conclui.

 

Aqueles que forem aco­metidos por picadas de abelhas e desejarem contri­buir com o estudo clínico podem entrar em contato com os responsáveis pelo telefone que está no cartaz de divulgação, abaixo.

 

 

 

Please reload

Tags

Deixe sua sugestão ou recado aqui.

Posts Mais Recentes
Please reload